Plasma de Argônio

Plasma de Argônio

Cirurgia Geral

Os benefícios da cirurgia bariátrica na perda de peso, remissão das doenças associadas à obesidade (como diabetes e hipertensão), diminuição do risco de mortalidade, aumento da longevidade e melhoria na qualidade de vida são bastante conhecidos. Porém, uma porcentagem importante de pacientes volta a ganhar peso ao longo dos anos e isso pode ser atribuído, principalmente, a manutenção de maus hábitos alimentares e sedentarismo. Este ganho de peso pode ser facilitado pelo rápido esvaziamento dos alimentos do novo estômago pela dilatação da anastomose, o que ocasiona maior ingestão alimentar. Com relação à anastomose, gastrointestinal, várias técnicas para a redução do seu calibre vêm sendo tentadas, porém sem resultados muito animadores.

O que é o Plasma de Argônio Endoscópico?

É um gás inodoro, inerte e não tóxico capaz de promover a coagulação térmica sem o contato do cateter com a mucosa. O objetivo dessa técnica é promover uma cauterização de toda a circunferência da anastomose para reduzir o seu diâmetro. Esse processo leva à restrição da passagem dos alimentos, saciedade precoce e perda de peso.

Como funciona?

Aplicação de Plasma de Argônio consiste de um procedimento endoscópico, realizado em regime ambulatorial que não necessita de internação. No tratamento, são realizadas, em média, três sessões de aplicação do Plasma de Argônio com intervalos de um mês e meio a dois meses entre cada uma delas. Com isso, ocorre a redução gradual do diâmetro da anastomose para cerca de 10 mm. Além disso, o paciente deve ser encorajado a realizar atividade física, acompanhamento nutricional e psicológico.

Pra quem é indicado?

• Em pacientes que tiveram um emagrecimento insuficiente após a cirurgia bariátrica, ou emagreceram e depois tiveram um reganho de peso (aumentaram 10% do peso mínimo atingido). Com, no mínimo, dois anos após a cirurgia bariátrica.

• Em média, são realizados 3 sessões de Argônio, com intervalo de 1 a 2 meses entre as sessões. Alguns pacientes necessitam de mais sessões. É aconselhável uma endoscopia de controle após 6 meses da última aplicação do Argônio.

• O paciente deverá passar em consulta com o cirurgião e a nutricionista, antes de programar a primeira sessão do Argônio, trazendo sua última endoscopia realizada. O preparo é semelhante ao de uma endoscopia digestiva alta – jejum de 8 horas.

• Após a aplicação do Argônio, deverá ficar 1 semana com dieta líquida e 1 semana com dieta pastosa. O objetivo dessa dieta é evitar um sangramento no local da aplicação do Argônio e permitir uma boa cicatrização. Depois de 15 dias, alimentação normal.

• Em média, pela literatura, temos perda de até 20 a 30% do peso inicial ao tratamento com Argônio. Ou perda de 50 % do excesso de peso atual. Ou perda de 70% do peso reganhado. Raramente (menos de 5%) poderá ocorrer um estreitamento intenso, com estenose intensa da anastomose, necessitando uma dilatação endoscópica para reabertura do canal.

Como o procedimento é recente, pode ser que no futuro, novas sessões de Argônio sejam novamente necessárias.

Vantagens do tratamento?

O procedimento é minimamente invasivo, realizado por endoscopia, sob sedação, não necessitando de outra cirurgia. Praticamente isento de riscos e muito bem tolerado pelos pacientes. Perda de peso significativa. Estudos mostram perda média de 90% do peso reganhado. O objetivo da técnica é ser mais uma arma no tratamento da obesidade, auxiliando o cirurgião no combate ao reganho de peso pós-cirurgia bariátrica de by-pass gástrico.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é simples. A História de radioterapia pélvica mais o achado Endoscópico de Telangiectasias. A indicação clássica é a anemia (com ou sem necessidade de transfusões) e pacientes com sangramento persistente (dois ou mais episódios por semana). Pacientes com sangramentos intermitentes (um ou menos de um episódio semanal), apesar de controversos, podem ser curados com apenas uma sessão de tratamento endoscópico que pode ser realizada ao momento do diagnóstico. A aplicação endoscópica de Plasma de Argônio é um método seguro, bem tolerado e eficaz.

DR. DALBERTO DASSOLER (CRM/PR 15063|RQE 15106|RQE 701|RQE 21221|RQE 19776)