Hiperplasia Benigna da Próstata

Hiperplasia Benigna da Próstata

Urologia

A Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP) é uma das doenças benignas mais comum no homem e caracteriza-se pelo aumento do volume da próstata. A próstata é uma glândula que desempenha funções importantes para a fertilidade masculina e que se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra. Quando aumenta de volume, pode estreitar gradualmente a uretra dificultando o fluxo de urina. Como resultado, os músculos da bexiga tornam-se mais espessos e fortes de modo a conseguirem esvaziar a bexiga.

Com o passar dos anos, praticamente todos os homens terão hiperplasia prostática, mas ainda não se sabe por que alguns desenvolvem mais e outros menos os seguintes sintomas:

• Dificuldades para urinar.

• Diminuição da força do jato urinário.

• Gotejamento no final da micção.

• Micção em dois tempos.

• Desejo de urinar durante a noite.

• Necessidade de urinar várias vezes durante o dia.

Esses sintomas se iniciam, geralmente, a partir dos 50 anos de idade e se tornam mais intensos depois dos 60 anos.

As causas não são bem conhecidas, embora a hiperplasia pareça resultar de alterações nos hormônios sexuais que ocorrem ao longo do envelhecimento. Os hormônios implicados neste processo de aumento de volume são a testosterona, formada nos testículos, e a dihidrotestosterona, formada na próstata a partir da testosterona. Os estrogênios (hormônios sexuais femininos) também podem desempenhar um papel nesta doença. De fato, os homens também produzem pequenas quantidades de estrogênios.

De qualquer modo, o fator de risco mais bem identificado para esta condição é a própria idade. Mais de metade dos homens com 60 anos têm hiperplasia da próstata. A existência de uma história familiar parece ser também importante. Obesidade, hipertensão arterial, diabetes, níveis reduzidos de HDL (o colesterol "bom") e a doença arterial periférica são fatores que parecem aumentar o risco de desenvolvimento de hiperplasia da próstata, do mesmo modo que o sedentarismo, tabagismo e uma dieta inadequada.

Analises laboratoriais com PSA, exame de urina e função renal, além de ultrassom de próstata (via abdominal) e urofluxometria, permitem a investigação inicial dos pacientes com sintomas do trato urinário inferior. A interpretação de exames bioquímicos, das características da micção e do volume prostático dão indícios do grau de obstrução uretral.

Considerando que o principal fator de risco para a hiperplasia benigna da próstata é a idade, não existe nenhum método validado de prevenção desta doença. Alguns dados sugerem que a atividade física regular, uma dieta pobre em gorduras, o consumo regular de vegetais ricos em vitamina C e de alimentos ricos em zinco pode reduzir o risco de desenvolvimento desta condição.

Mediante consulta médica com seu urologista e interpretação dos exames para avaliação do trato urinário inferior (próstata, bexiga e uretra) e superior (rins), o paciente será estadiado e tratado conforme sua necessidade. Diagnóstico e tratamento precoces minimizam as complicações da doença.

*Dr. Luís Fernando Dip CRM/PR 21524 RQE 348 I 21412